Linhas nômades do meu diário

Pode parecer estranho, mas todos os meus diários têm capa vermelha e eu só escrevo com caneta vermelha.


Minhas linhas nômades avermelhadas se encontram em poesias, croquis, estudos...e moram durante muito tempo na pele do papel. Muitas nem chegam a ganhar corpo nem forma. Mas as que ganham, se transformam em linhas alinhavadas em tecidos, fios e contas. Mesmo depois de parí-las, sempre as vejo como palavras. Dou muita importância aos títulos de minhas obras e estou sempre disposta ao registro de todas as etapas: escrita, rabisco, pensamento e finalmente: ao dar a luz em forma de corpo a sensação que eu imaginei na pele do papel.