edições limitadas

Mil corações suas paixões, um coração, meu amor
press to zoom
Doação
press to zoom
Ewa
press to zoom
Femme
press to zoom
Insubmissa de mim mesma
press to zoom
O amor, a saudade e o que a gente não sabe
press to zoom
Fabricando à mim mesma
press to zoom
Fabricando à mim mesma
press to zoom
Insubmissa de mim mesma
press to zoom
Insubmissa de mim mesma
press to zoom
Onde eu caibo
press to zoom
Onde eu caibo
press to zoom
Nova Era, nova Eva
press to zoom
Nova Era, nova Eva
press to zoom
A mesma no entanto outra
press to zoom
A mesma no entanto outra
press to zoom
A mesma no entando outra
press to zoom
A mesma no entanto outra
press to zoom
1/1

Talitha Rossi cria edições limitadas com tiragem especial para algumas obras.

 

> Clique na loja virtual para fazer a sua compra <

As poesias bordadas são fragmentos de seus diários e manuscritos. 

Os poemínimos escritos por Talitha Rossi, são pequenas poesias autorais que fazem parte dos seus diários vermelhos. Desde o começo de sua trajetória, a artista nomeia suas obras com poemínimos. Durante a pandemia, a artista revisitou seus diários e reescreveu alguns dos poemas em tecidos, criando peles adornadas com bordados de alta costura, cabelos artificiais, madrepérola e outros elementos que permeiam sua poética própria.

Nesta edição especial, parte da renda das vendas dessa série limitada, é revertida para ONGs da causa animal.

Em suas pinturas em tecido, Talitha utiliza técnica mista para pensar o erotismo. Primeiro nasce a pintura que logo é descontruída, rasgando em muitos pedaços que são reorganizados em encaixes por colagem. Após a pintura-colagem feita à mão, a artista transforma em fotografia e assim, nasce a impressão em tecido.

 

Em suas esculturas de brinquedo em miniatura, a artista trás à tona questões sobre relacionamentos afetivos que permeiam os bons e maus encontros.

A série de bordados sobre fotografias é um ato de resistência para a artista. Uma forma de honrar mulheres anônimas que abriram caminhos para os feminismos que hoje, podemos discutir e reivindicar. Ao alinhavar o tecido vital, sem sucumbir pela tentativa de docilização dos corpos, o ser fêmea ganha uma força parida do feminino, seja ele ancestral ou atual, ainda que haja dor e luta. Estas séries de intervenção sobre fotografias antigas é uma homenagem às mulheres insubmissas de si mesmas que com coragem, não deixaram se apagar pelo patriarcado.